espaŮol portuguÍs english email
Tapau√°: 50 anos construindo Igreja e Sociedade
Março 2016


Eneas Berilli em seus tempos como mission√°rio na Prelazia de L√°brea.


Eneas Berilli no Capitulo Geral em Roma (It√°lia), 2010.

Testemunhos pessoais: Enéas Berilli

Enéas Berilli nasceu em Muquí (Espírito Santo, Brasil) em 1936, é agostiniano recoleto e foi ordenado sacerdote em 1962. Chegou à missão de Lábrea ao ano seguinte; primeiro serviu em Canutama e depois em Tapauá entre abril de 1966 e dezembro de 1969, para depois continuar servindo ao povo de Deus nas zonas sul e sudeste de Brasil. Foi prior provincial de Província de Santa Rita durante doze anos.

Fomos destinados a L√°brea por uma decis√£o do primeiro Cap√≠tulo da Prov√≠ncia de Santa Rita em 1963. A ata IV dizia: “Que o provincialato mande imediatamente √† Prelazia de L√°brea suficientes mission√°rios, bem preparados e animados de verdadeiro esp√≠rito apost√≥lico”. A raz√£o mais urgente era a falta de mission√°rios. Canutama e Tapau√° tinham t√£o somente um mission√°rio em cada uma. O prior provincial, Jos√© Gon√ßalves, solicitou nossa presen√ßa nas miss√Ķes.

Aceitamos com muita alegria, dispostos a ir a qualquer parte. Pela urgência da situação, partimos imediatamente e chegamos a Lábrea dia 6 de outubro de 1963, eu com apenas um ano de sacerdote e sete de vida religiosa. Em Lábrea, após um tempo de adaptação ao clima e aos mosquitos, nos deram o primeiro destino: eu iria para Canutama.

Em dezembro de 1963, o agostiniano recoleto Cassiano Amorim e eu fizemos a desobriga entre L√°brea e Canutama, onde fiquei, pois Isidoro Irigoyen estava de f√©rias na Espanha. Passei meu primeiro Natal nas miss√Ķes, com Augusto em Canutama, e depois ele continuou para Tapau√° em janeiro, onde seria o companheiro de Victorio Henrique Cestaro.

Daquelas terras somente t√≠nhamos alguma not√≠cia quando vinha algum mission√°rio para participar das reuni√Ķes ou fazer campanhas de sensibiliza√ß√£o. Contavam os esfor√ßos e aventuras de suas desobrigas e viagens pelos rios, as enormes dist√Ęncias, as dificuldades que passavam. Mas por muito que algu√©m conte sua experi√™ncia no Amazonas, quando se chega l√° √© algo impressionante, desconhecido: a selva e os rios com sua largura, a diferen√ßa entre o tempo seco, com o Purus com seis metros de profundidade, ou em tempo de chuvas, que sobe a 23.

Nossa expectativa era de muito trabalho, de muitas car√™ncias em todos os aspectos: casa, dist√Ęncias, enfermidades, falta de escolas e m√©dicos, hospitais deixados na m√£o de Deus‚Ķ N√£o era para desanimar, ao contr√°rio, a vontade dos mission√°rios era de trabalhar pelo Reino de Deus com grande prazer, sabendo que lev√°vamos esperan√ßa para aquele povo.

Em Canutama vivi o processo de construção da Igreja e da casa paroquial. Em Tapauá não havia nem casa nem igreja. Desde Canutama podia conhecer todos os acontecimentos de Tapauá pelas visitas de Victorio. Em março chega à Prelazia o religioso agostiniano recoleto Francisco Eugênio, que é enviado a Canutama para que eu fosse a Tapauá, aonde cheguei no dia 3 de abril de 1966.

O objetivo era dar continuidade √†s obras da casa, ao que dei prioridade durante cinco meses trabalhando todos os dias, at√© noite adentro. Em julho pudemos inaugurar a casa nova, circunst√Ęncia em que estiveram, por primeira vez em Tapau√°, as Mission√°rias Agostinianas Recoletas, entre elas a vener√°vel Cleusa, que passou uma semana de conviv√™ncia amiga com os Apurin√£.

A casa tinha a parte inferior de tijolo com espaços comuns. A parte superior era de madeira, com um espaço coberto ao redor, para evitar o sol nas paredes e suavizar o clima. Naquele tempo estava dividida em três quartos, uma sala de estar, uma sala de entrada e uma sala para guardar roupas. Uma escada desce da sala principal até a cozinha, refeitório, banheiros, despensa e pátio frente a uma grande área de selva virgem. O telhado era de amianto pintado, dado que era necessário impermeabilizar o edifício numa zona de chuvas fortes e constantes.

Quando acabamos a construção da residência decidimos que era hora de começar a igreja matriz definitiva. Com a estrutura metálica que havia enviado o bispo José, se havia tentado a construção e já havia uma escavação frente à capela antiga. Mas uma coluna de ferro daquela estrutura tinha sofrido uma curvatura enorme por um acidente, e em Tapauá era impossível ajeitá-la. Por isso decidimos não usá-la.

Após vendê-la em Manaus, compramos tijolos de quatro buracos, cimento, ferro, tábuas e telhas. Mostramos o desenho ao engenheiro da residência de Lábrea e lhe dissemos que nós dirigiríamos a obra, porque em Tapauá ninguém sabia fazer nada de pedreiro. Deu-nos conselhos sobre os alicerces, sobre como umedecer os tijolos antes de colocá-los e recobri-los.

Buscamos areia e pedras no rio antes que as √°guas subissem e impedissem de fazer essa tarefa durante os seis meses seguintes.O padrinho da par√≥quia, Vitorino Marques, colaborou com o envio gratuito desde Manaus, de todos os materiais e pagou a alf√Ęndega que havia na √©poca.

Toda a população, e especialmente as crianças, colaboraram no descarregamento. Os pequenos, como formiginhas, conseguiram fazer num dia, o trabalho que demoraríamos pelos menos uma semana, diziam muitos. Foi um dia memorável e de grande alegria para todos, e houve até foguetes.






Primeira e √ļnica visita do bispo Jos√© √Ālvarez a Tapau√°.

Entramos de cheio e iniciamos as obras. T√≠nhamos dois ajudantes, um pai e um filho que estavam no xadrez e que conseguimos liberar fazendo-nos respons√°veis deles diante do prefeito e da pol√≠cia. Come√ßamos transladando os objetos do culto at√© a Escola Dom Jos√© √Ālvarez, que durante as obras funcionou como templo e escola, e desmontamos a capela velha para construir nesse solar a nova igreja.

Victório e eu nos alternávamos entre as obras e os demais trabalhos da missão. A princípio tínhamos delineado uma capela de 10 x 20 metros; mas a pedido do bispo acrescentamos três metros mais de fundo para a sacristia, e assim se aproveitou a altura sobre a ladeira para fazer debaixo uma grande sala de catequese.

Quando chegou o momento de fazer o telhado, necessitávamos grande quantidade de madeira e contratamos um grupo de homens, que junto comigo, permaneceram quase um mês na selva derrubando madeira. Aproveitamos uma árvore que já estava no chão e cortamos outra; desta forma conseguimos três peças de 11 metros de altura e outra de oito metros. Serramos tudo a mão no lugar e preparamos par ser transportado de barco até o pé de obra.

As janelas basculantes, o ferro e o vidro foram compradas em Manaus e se enviaram até Lábrea. Com uma máquina de soldar da Prelazia, cortei e soldei cada janela, e logo as enviei até Tapauá. A obra ficou terminada praticamente num ano e meio.

Nesse tempo tamb√©m instalamos a energia el√©trica. No in√≠cio hav√≠amos comprado um gerador de 6,5 KVA com capacidade para a Igreja, Escola, Pra√ßa, Prefeitura, Casa dos freis e a casa de um comerciante que ajudava com os gastos de combust√≠vel. Quando fomos a Manaus, para registrar a escola Dom Jos√© Alvarez na Secretaria de Educa√ß√£o, e pedir material escolar, tamb√©m nos dirigimos √† companhia de eletricidade para pedir fios, isolante, postes e l√Ęmpadas, com o compromisso de iluminar a rua principal. A Companhia nos deu os materiais.

Quando cheguei √† Prelazia para mim tudo era novidade. Estava disposto a tudo, a enfrentar desde a juventude todos os desafios que se aparecessem por diante. Tapau√° era uma miss√£o nova, com tudo por fazer, com mais ou menos 800 habitantes e 150 crian√ßas na escola. Quando terminavam o Ensino Fundamental, n√£o tinham nada que fazer. A mal√°ria era frequente, quase uma epidemia, a ‚Äúfebre negra‚ÄĚ dizimava as fam√≠lias e assustava a todos.

Uma par√≥quia que se inicia n√£o tem quase nada, falta tudo. A aten√ß√£o era sacramental e nas desobrigas; d√°vamos uma pequena catequese ao cair da tarde, com as confiss√Ķes e o ros√°rio, dado que a liturgia n√£o permitia a missa noturna.

Quanto à Educação, em 1966 começamos um curso especial de aprofundamento nas principais matérias: português, matemática, historia, geografia, ciências, moral, educação cívica e religião. Acho que foi muito proveitoso para o aprendizado das crianças na escola.

Em 1967, aproveitando que duas jovens alunas tiveram notas muito boas no curso anterior, e ante a falta de professores qualificados, tomei a iniciativa de alfabetizar um grupo de umas quarenta crianças, para que, posteriormente as duas jovens continuassem ensinando-as. Para nossa surpresa aos seis meses as crianças já sabiam ler e escrever. Em 1968 incluímos um grupo de apurinãs interessados em aprender português. Mesmo que alguns tenham desistido, outros concluíram com proveito. A educação, como prioridade, promoveu a cidadania entre os mais jovens.

Era o tempo dos desfiles escolares, com uniformes doados pela par√≥quia, e que era uma das principais atra√ß√Ķes para o povo. Quando chegou Agostinho Belmonte, o primeiro provincial que fez a visita √† comunidade, foi recebido por um destes desfiles, que incluiu discursos poesias e musicas. Encantou a todos. A escola Dom Jos√© Alvarez mostrava que tinha vida.

Os animados grupos de jovens tinham seu ponto forte na catequese; a frequente participação na Eucaristia e o Campeonato de Futebol, a atração dos domingos. Pela manhã rezávamos o ofício e celebrávamos a missa, e à noite rezávamos o terço com o povo.

Quando cheguei não havia nem médico nem hospital. A malária era uma epidemia: cheguei em abril e em julho já passei a primeira malária. A Febre Negra, o mal de Lábrea, começava com uma pequena febre no primeiro dia, mas no terceiro, a morte era segura. Esta enfermidade trouxe ao doutor Jorge Boschell, colombiano, descobridor da febre amarela silvestre. Residiu várias vezes na casa dos freis, enquanto investigava. A princípio ele mesmo acreditava que era causada por uns fungos da farinha de mandioca, que é o principal alimento do amazonense.

As festividades mais importantes naquele tempo era o Dia da P√°tria, 7 de setembro, com desfiles das escolas com seus uniformes e tambores; e o noven√°rio a Santa Rita de C√°ssia. Na Semana Santa pass√°vamos filmes sobre a Paix√£o e se celebrava a via sacra. No Natal se fazia um teatro do pres√©pio e um concurso de cantos natalinos tradicionais do nordeste, as ‚Äúpastorinhas‚ÄĚ, que faziam com criatividades, com m√°scara e c√Ęnticos pr√≥prios.

Recebemos poucas visitas, mas quando estava em Tapau√° veio o bispo Jos√© Alvarez. Passou uns dias conosco; visitou aos apurin√£s com os quais assistiu a uma festa com dan√ßas e cantos. Foi quase uma despedida, porque pouco depois renunciou devido √† sua sa√ļde. O provincial Agostinho Belmonte visitou todas as casas da Prelazia durante seu mandato. Tamb√©m acolhemos por duas vezes os m√©dicos, professores, assistentes sociais, t√©cnicos de laborat√≥rio e engenheiros vindos do Projeto Rondon, doze pessoas que conviveram conosco um m√™s.

Durante os seis anos que passei na Prelazia, visitei duas vezes a minha fam√≠lia, que vivia preocupada por mim. Minha irm√£, m√©dico, trabalhou v√°rios anos no Instituto de Estudos da Amaz√īnia em Manaus. Pude ter maior contacto com ela por meio de cartas.

Na fam√≠lia era acolhido com carinho e muita curiosidade para ouvir coisas do Amazonas. Preparei fotografias para mostrar a grandiosidade dos rios, seu aspecto em √©poca de chuvas e em √©poca de seca; a extra√ß√£o do l√°tex e a castanha; as viagens pelos igarap√©s; as consequ√™ncias da lepra, com muitas pessoas mutiladas; as planta√ß√Ķes de mandioca, milho, feij√£o, melancias, mel√£o; o processo de prepara√ß√£o das praias para plantar. Esperavam ao mission√°rio com carinho. Em nossos minist√©rios fazia campanha e o povo colaborava com muita alegria.

Para mim foi uma surpresa conhecer o Amazonas: um povo pobre, mas solidário, humilde, simples, alegre inclusive vivendo em barracos flutuantes ou de telhado de folhas de palmeira, sem divisão de quartos, sem móveis, nem sequer uma cadeira, sempre dormindo em rede. Mas são incrivelmente acolhedores, e mais com o missionário. O que mais me chamava a atenção era a solidariedade, tanto no trabalho, como nos sofrimentos e dores; se percebia uma conformidade ante todas as dificuldades pelas quais passavam, e são pessoas realmente de admirar.

A chegada da televisão começou a mudar um pouco as coisas. Antes estavam completamente isolados, fora de todo contexto do mundo circundante, mas a partir desse feito puderam ver e conhecer outras realidades materiais, humanas, culturais ou religiosas.

Antes de ir ao Amazonas tinha passado por uma par√≥quia e por um col√©gio. Na par√≥quia aprendi a a√ß√£o pastoral, a import√Ęncia da evangeliza√ß√£o e da liturgia, festas e sacramentos. No col√©gio como organizar um trabalho em equipe, distribuir mat√©rias, ensinar disciplina, pr√°tica do esporte e organiza√ß√£o da secretaria, documenta√ß√£o e ensino. Tudo foi muito √ļtil quando cheguei ao Amazonas, com a educa√ß√£o como trabalho mais urgente, e a evangeliza√ß√£o como tarefa a come√ßar de zero.

J√° em Canutama, o prefeito me nomeou diretor de ensino. Assumi o trabalho com tranquilidade e consegui quatro professoras em Manaus. Tamb√©m fiz as gest√Ķes para a visita da Secretaria de Educa√ß√£o do Estado de Amazonas √† regi√£o. Isto me permitiu depois organizar e conseguir ajudas educativas em Tapau√°, assim como registrar a escola Dom Jos√© √Ālvarez, o contrato dos mission√°rios como professores, a chegada de material escolar‚Ķ

Não somente ajudei, também aprendi muito, como a solidariedade, a simplicidade e, especialmente, a paciência que tive que praticar. Trata-se de um povo sofredor e que por sua vez confia na ação de Deus, em sua providencia e bondade. Nada nos impedia o trabalho, nem sequer o risco de enfermidade e acidentes onde qualquer recurso médico só se podia alcançar depois de cinco longos dias de viagem pelo Purus.

Nunca esquecerei esses anos em Tapau√°. Agrade√ßo muito a conviv√™ncia com aquele povo, o carinho e respeito pelos mission√°rios que ali plantaram e planta hoje sementes de uni√£o, cidadania, amor, solidariedade, humildade, desde o reconhecimento da import√Ęncia de Deus na vida. Pe√ßo-lhes que continuem trabalhando para melhor cada dia, crescer em cada passo, sempre em fam√≠lia.

Mando uma saudação especial a nossos irmãos Apurinã, que me deram o nome de Chiricari: Não esqueçam de frei Enéas, não esqueçam a Chiricari. Outra palavra de carinho para as Oblatas pelo seu trabalho. E felicidade ao povo de Tapauá, por sua fé e devoção a Santa Rita de Cássia. Que o Senhor abençoe a todos.

Testemunhos pessoais
Francisco Piérola


menu portada noticias reportajes agenda documentos nosotros material gr√°fico misiones escribenos intranet Entra y ver√°s
Agostinianos Recoletos. Província de São Nicolau de Tolentino. Paseo de la Habana, 167. 28036 -Madrid, Espanha. Fone: 913 453 460. CIF: R-2800087-E. Inscrita no Registro de Entidades Religiosas do Ministério de Justiça, número 1398-a-SE/B. Política de privacidade.
Busca.