espaŮol portuguÍs english email
Tapau√°: 50 anos construindo Igreja e Sociedade
Março 2016

Capela do Santo Soldado de Boca do Jacaré.

Historia e atualidade da Paróquia de Santa Rita: Meio século construindo paróquia

Antecedentes

Em 1873 se havia criado a freguesia de São João Batista de Arimã, numa comunidade a um dia de navegação da Tapauá, subindo o Purus. Tinha uma capela de tijolo. Durante anos se puderam visitar suas ruínas, mais concretamente seu cemitério, com lousas de mármore que pouco a pouco a selva comeu. Hoje não fica nada. Em Arimã foi enterrado o bispo Inácio Martínez em 1942, após falecer não longe de lá, em Nova Fé, em consequências de febres, durante uma desobriga. Em 1949 seus restos foram trasladados a Lábrea. Durante os primeiros anos de evangelização o sacerdote de Lábrea visitava, todos os anos, Arimã, e ai celebrava os serviços religiosos. Mas a violência e falta à leis, aceleraram seu abandono e ficou sem habitantes.

Martínez (bispo de Lábrea entre 1930 y 1942) foi o primeiro a deixar por escrito a ideia de fundar uma paróquia na região de Tapauá. Havia pensado numa arriscada divisão da Prelazia, com uma paróquia dedicada a Nossa Senhora da Consolação em Paripi (Ave Maria) que abarcaria desde o rio Tapauá até Tambaqui. A falta de pessoal relegou a ideia.

No território de Tapauá havia somente quatro capelas atendidas nas desobrigas, primeiro desde Lábrea e, depois, desde Canutama: a do Santo Soldado de Boca do Jacaré, a de Bom Jesus dos Passos de Tambaqui, a de São Francisco de Boca de Tapauá, o lugar mais populoso até a fundação do município, e a de Jaburu.

Primeira visita das Agostinianas Recoletas a Tapau√°.

Em 2010 as Missionárias Agostinianas Recoletas voltaram a visitar famílias na zona rural de Tapauá. Subida à comunidade de Mapixi.

Imagem da santa padroeira no templo paroquial de Santa Rita em Tapau√°.

Nova paróquia (1 de maio de 1965)

A par√≥quia de Santa Rita foi criada no dia primeiro de maio 1965. A data se escolheu pela celebra√ß√£o dos 40 anos da Prelazia de L√°brea e em homenagem ao Vaticano II, cuja quarta e √ļltima sess√£o come√ßava em setembro desse ano. Cestaro fez uma viagem desde Nova Olinda at√© Paran√° de Elba anunciando a cria√ß√£o da nova par√≥quia.

O bispo Jos√© √Ālvarez demorou em visitar a nova par√≥quia por problemas de agenda. Durante esses meses viajou a Roma para assistir ao Conc√≠lio, participou da ordena√ß√£o episcopal de Alquilio √Ālvarez em Soure (Par√°), e passou por varias cirurgias e visitas m√©dicas. Dia 26 de setembro de 1967 a cidade o recebeu enfeitada com cartazes; durante vinte dias o bispo conviveu com os paroquianos. Tr√™s meses depois renunciou por enfermidade. A Prelazia vive uma longa jornada de tr√™s anos sem bispo, at√© a nomea√ß√£o de Florentino Zabalza em 1971. Dia 26 de fevereiro de 1974, Jos√© √Ālvarez morreu em Franca (S√£o Paulo).

Em julho de 1967 os paroquianos foram testemunhas, por primeira vez, do carinho e duro trabalho das Missionárias Agostinianas Recoletas da comunidade de Lábrea. A madre Angeles, uma das fundadoras da congregação, junto com as irmãs Maria Inês, Maria Luiza, Ana Maria e Visitação deixaram um grande fruto pastoral e visitaram todas e cada uma das famílias.

O templo paroquial

A Prelazia compra a casa de Henrique Cordeiro na pra√ßa central de Tapau√° por 80.000 cruzeiros (400 euros), pre√ßo muito alto segundo os religiosos “considerado a completa deterioriza√ß√£o da casa”. O que mais considerou Cestaro em sua compra, foi o terreiro da propriedade, 10 metros de frente sobre a pra√ßa e 60 metros de fundo. Serviu de primeira capela. Mais tarde se comprou duas casas mais, a de Valdomiro Cordeiro (90.000 cruzeiros) e Jo√£o Nogueira (50.000 cruzeiros), ampliando assim o terreno at√© a configura√ß√£o atual.

Antes da funda√ß√£o da par√≥quia, o bispo Jos√© √Ālvarez j√° havia pensado em sua infraestrutura. Por isso, compra em S√£o Paulo, uma estrutura met√°lica por 725.500 cruzeiros, uns 3.500 euros de hoje. Em Manaus se fazem gest√Ķes, pois era impens√°vel conseguir ajuda econ√īmica em Tapau√° dada a situa√ß√£o das fam√≠lias. A estrutura chega a Tapau√° dia 27 de abril de 1963. N√£o foi f√°cil desembarcar. O cronista relata a indiferen√ßa das autoridades, que n√£o ajudaram para levar semelhante peso barranco acima at√© o canteiro de obras.

Dia 18 de agosto de 1963 houve um grave incidente. A arma√ß√£o que aguentava a estrutura met√°lica cedeu e caiu sobre os trabalhadores; cinco sa√≠ram ilesos, mas um perdeu uma orelha. A estrutura n√£o se rompeu e se pretendeu continuar com seu uso. Mas, depois de tr√™s anos sem ser colocada e pelas inclem√™ncias do clima amaz√īnico em seus esqueletos, se procedeu a sua venda em Manaus, e a igreja se levantou com a planta que tem atualmente.

A imagem de Santa Rita foi doada pela par√≥quia de L√°brea. Antes havia estado no Educand√°rio Santa Rita, na sede da Prelazia. Em 1963, com a igreja sem terminar, se celebra por primeira vez o dia da padroeira. A efem√©ride √© o dia 22 de maio, por√©m se transferiu para o domingo 19, para permitir a presen√ßa de mais pessoas. Ao coincidir com o inverno amaz√īnico, cheia dos rios, a cidade estava quase vazia de homens, ocupados na pesca e na extra√ß√£o de madeira.

A situação da Igreja Matriz é privilegiada dentro da cidade, mas para isso foi preciso construir sobre uma ladeira sua parte traseira. Originalmente tinha somente só uma torre. Em diferentes reformas se foram ampliando, construindo uma segunda torre, melhorando seu sistema elétrico e de som, até chegar a ser hoje um magnífico e digno templo, orgulho dos católicos.

Diferentes est√°gios do templo paroquial de Santa Rita em Tapau√°:













Primeira e √ļnica visita de Dom Jos√© √Ālvarez √† escola paroquial de Tapau√°, que levava seu nome.



O edifício da escola pouco antes ser demolido para a construção do salão paroquial.





Casa da comunidade religiosa agostiniana recoleta de Tapau√°.

A escola paroquial

Quando se estava construindo a igreja, um epis√≥dio criou certo conflito nas rela√ß√Ķes entre cat√≥licos e evang√©licos. Milton Rosas, patrocinador dos mission√°rios evang√©licos, tinha alugado da Prefeitura um terreno vizinho √† nova igreja. Durante anos n√£o havia pagado o aluguel nem as taxas referentes √† op√ß√£o de compra preferente. Ao ver que se tinha levantado a igreja cat√≥lica, colocou de novo, interesse no terreno, com a ideia de levantar um templo evang√©lico paralelo, em confronta√ß√£o direta com os cat√≥licos.

Os religiosos recoletos, ao conhecer o assunto, pediram à Prefeitura que o terreno fosse doado à Igreja católica, para a construção da já então projetada escola paroquial, com a ideia de evitar que os dois templos estivessem juntos.

A Prefeitura teve que dirimir a quest√£o. Promulgou em abril de 1964 uma lei pela qual todos os terrenos p√ļblicos alugados, que n√£o tivessem pagado e que n√£o estivessem sendo utilizando de forma √ļtil, durante mais de um ano, voltaria √† sua gest√£o. No mesmo dia, publicou outra determina√ß√£o doando concretamente esse terreno para construir uma escola.

Tapau√° tinha “um ambiente social impregnado de v√≠cios, onde as crian√ßas e adolescentes se formam na escola de imoralidade e festas cont√≠nuas, digo, frequentes”. E assim a educa√ß√£o passa a ocupar um lugar preferencial em seu esfor√ßo. “Com as madeiras que est√£o aqui e as l√Ęminas de telhado [enviados para a casa paroquial], faremos a constru√ß√£o da escola Jos√© √Ālvarez; estamos entusiasmados com a ideia”, escreveram ao bispo dia 15 de mar√ßo de 1964.



A casa da comunidade

A antiga casa comprada de Henrique Cordeiro se desocupou por dentro e se dividiu em dois c√īmodos: uma ampla sala de quarenta metros quadrados e uma sacristia separada, que servia de dormit√≥rio para Cestaro. Nela viveu onze meses, at√© fevereiro de 1964. Mais de uma noite a chuva teve que pedir asilo, pelas goteiras. Quando chegou Nowacki, passaram a viver em um espa√ßo cedido, nos fundos da Prefeitura, onde havia um quarto, uma sala, cozinha e banheiro preparados para o prefeito, que usava outra resid√™ncia e permitiu aos religiosos utilizar aquele. Como se indicou, os recursos para a casa foram empregados para a constru√ß√£o da escola paroquial.

Quando chegou a vez da casa da comunidade, as obras das duas constru√ß√Ķes anteriores, junto com mais material doado pela comunidade de L√°brea, serviram para iniciar o projeto. Tamb√©m houve generosas doa√ß√Ķes dos habitantes do Jacinto, um de seus habitantes, Camilo, doou grande quantidade de madeira para a casa. Quarenta anos depois, a mesma pessoa doou o terreno e madeira para Casa de Retiros Cassiciaco.

A construção da casa foi uma odisseia: o descarregamento e o transporte da madeira e 4.500 tijolos no muque; as acidentadas viagens para comprar materiais; o contrato de um mestre de obras de Manaus que fugiu sem terminar o trabalho e com o dinheiro contratado; os problemas com os trabalhadores da construtora, que denunciaram o seu patrão ante a justiça; a hérnia inguinal que sofreu Cestaro por carregar vigas… A chegada de Enéas Berilli e suas habilidades como construtor, permitiram que no dia 20 de julho de 1965 se inaugurasse oficialmente a casa.

Em 1995, dado que a casa está sobre uma forte pendente, houve necessidade de solucionar os deslizamentos de terra e se construiu um muro de contenção, se acrescentaram mais colunas, se trocaram os canos e se fez uma capela. Em 1998 se acrescentou um banheiro em cada um dos quatro quartos, e em 2004 se pintou toda a casa e se instalou ar acondicionado. Um dos seus problemas constantes ao longo do tempo tem sido a concentração de morcegos em cima do forro.

√Č, sem d√ļvida, uma das casas mais originais das comunidades Recoletas em todo o mundo. Pela sua configura√ß√£o, √© sumamente pr√°tica, pela sua harmonia com a natureza circundante porque, apesar de estar no centro da cidade, a sensa√ß√£o √© que se est√° no meio do mato. Os religiosos a cada dia, fazem suas refei√ß√Ķes, tendo a sua vista um imenso bosque.

Casa da comunidade religiosa agostiniana recoleta de Tapau√°:






Em primeiro plano, a igreja Matriz de Santa Rita; atr√°s da torre esquerda, o sal√£o paroquial.


A casa da comunidade religiosa, na parte detr√°s da Igreja Matriz.


Hoje √© a Pra√ßa Raimundo Andrade, mas seu primeiro nome foi o de Dom In√°cio. A Igreja Cat√≥lica tem aqui a secretaria paroquial, o est√ļdio e a antena da radio comunit√°ria Educativa, as salas de catequese, a Igreja Matriz e o sal√£o paroquial; e atr√°s do templo, a casa paroquial.

O complexo paroquial hoje

O complexo paroquial de Tapau√° est√° hoje distribu√≠do por toda a sede municipal e alberga edif√≠cios para m√ļltiplos servi√ßos. Na grande pra√ßa central, al√©m da Igreja Matriz e casa paroquial, outros edif√≠cios mais servem para diversas finalidades. O sal√£o paroquial est√° situado no centro da pra√ßa e d√° para o grande mirador sobre o encontro das √°guas escuras do rio Ipixuna com as √°guas barrentas do rio Purus, que durante v√°rias centenas de metros n√£o se juntam e percorrem em paralelo, num fen√īmeno conhecido como “encontro das √°guas”.

Depois de sua construção nos 70, este salão se utilizou para todo tipo de eventos. Foi o palco principal das festas da padroeira, tem acolhido a juventude, tem oferecido espaço para a catequese, tem sido alugado por temporadas a projetos sociais do Estado de Amazonas pela erradicação do trabalho infantil (PETI)… Em 2010 se reformou e reforçou.

Ao lado esquerdo da Igreja Matriz se edificaram salas de catequese, de reuni√Ķes e encontros pastorais, al√©m de acolher os in√≠cios do Centro Esperan√ßa. Em 2005 se acrescentou um segundo andar e se levou para l√° a secretaria paroquial e o est√ļdio da radio. S√£o dez salas com nomes agostinianos ou ligados √† historia da Prelazia: Dom Florentino, Dom Ign√°cio Mart√≠nez, Frei Mario Sabino, Frei Jesus Pardo, Irm√£ Cleusa, Santo Agostinho, Santa Monica, Santa Magdalena de Nagasaki, S√£o Nicolau de Tolentino, Santo Ezequiel Moreno.

Em Tapau√° existem mais quatro templos cat√≥licos, com suas salas de catequese, para as comunidades de base distribu√≠das no espa√ßo urbano. Est√£o dedicados a S√£o Jos√©, Santo Agostinho, Nossa Senhora de Aparecida e S√£o Jo√£o Batista. Tem sido locais de articula√ß√£o dos bairros e albergado multid√£o e tarefas sociorreligiosas como a Pastoral da Crian√ßa, as visitas a enfermos, ou o trabalho como protagonistas da evangeliza√ß√£o dos ministros da Palavra e dos Ministros Extraordin√°rios da Eucaristia, como guias e bons conhecedores de seus pr√≥prios vizinhos, desde a autogest√£o. J√° se entrev√™ a necessidade de uma nova comunidade com suas infraestruturas no bairro Rio Purus, o mais novo e pr√≥ximo do aeroporto, que tem crescido de maneira espetacular nestes √ļltimos quinze anos.

O Centro Esperança nasceu utilizando as mesmas salas que a catequese, mais tarde contou com um novo edifício e uma quadra esportiva coberta, no bairro do Açaí, o mais populoso da cidade.

Fora da cidade, h√° umas duas horas por barco e 20 minutos em lancha r√°pida, est√° a Casa de Retiros Cassiciaco. √Č um lugar privilegiado e uma das estampas mais paradis√≠acas de todo o complexo paroquial. Um porto flutuante no tranquilo Lago Jacinto recebe as pessoas, que ap√≥s subir por uma escada de madeira, chegam a uma ampla edifica√ß√£o com cozinha, banheiros e uma sala coberta, com paredes abertas √† imensid√£o da selva e vista ao lago.

As salas de catequese, à esquerda do templo paroquial, em diversos estágios, antes e depois de sua ampliação:




  • Igreja Matriz, salas de catequeses, secretaria paroquial e est√ļdio da radio Educativa.


As embarca√ß√Ķes

Pode parecer estranho este par√°grafo aqui, mas tem sua explica√ß√£o: o rio Purus √© ‚Äúautopista central‚ÄĚ que articula a zona rural com o centro urbano; √© a √ļnica via n√£o a√©rea de sa√≠da e chegada desde o exterior. Os mission√°rios t√™m vivido boa parte de seu tempo nos barcos, s√£o parte essencial de seu trabalho, segunda casa, e um dos elementos que mais recursos t√™m consumido.


O barco Santa Rita no Purus.

Aquela primeira viagem paroquial foi feita por Cestaro numa canoa motorizada da par√≥quia de Canutama chamada Archimedes. Tamb√©m usava barcos de vizinhos e amigos. Mas logo se viu a necessidade de um barco pr√≥prio para organizar visitas de maneira peri√≥dica, com o √ļnico objetivo da evangeliza√ß√£o. A primeira chegou a meados de 1964. Os recoletos souberam que M√°rio Maia de Souza, um bom amigo da regi√£o de Abufari, vendia uma de suas canoas. Quando negociaram a compra, M√°rio a ofereceu gratuitamente e ainda deu 5.000 cruzeiros para os consertos necess√°rios. Deram-lhe o nome de Mission√°ria e lhe puseram o motor do Archimedes, cedido j√° permanentemente.

Isto permitiu aos padres avan√ßar no plano de visitas. Os habitantes do rio Jacar√© receberam por primeira vez os mission√°rios Agostinianos Recoletos, a partir do dia 2 de junho de 1964. A mis√©ria que encontraram acabou escrita nos jornais; at√© viram a ins√≥lita morte de fome de um cachorro. Distribu√≠ram leite em p√≥, farinha de milho e trigo enviados por C√°ritas: “O mais lament√°vel √© que todos viviam sepultados numa fossa de d√≠vidas com os patr√Ķes e sem nenhuma esperan√ßa de liberta√ß√£o econ√īmica; viver√£o como escravos toda sua exist√™ncia”. Tamb√©m visitaram os rios Tapau√°, Cunhu√£ e Piranhas. Anotaram com frequ√™ncia que o pessoal lhes falava de vest√≠gios de uma tribo desconhecida, primeira referencia escrita sobre os Zuruah√£.

Desde ent√£o, as embarca√ß√Ķes da par√≥quia tem sido v√°rias e de todo porte, como variada tem sido a proced√™ncia dos recursos para adquiri-las e mant√™-las. Em 1995 se constr√≥i uma, de estrutura nova, o novo motor, o Barco Santa Rita, com fundos doados por uma fam√≠lia de Ivybridge (Devon, Inglaterra). Dez anos depois foi ampliado com um segundo andar.

A Paróquia e alguns de seus serviços mais centrados na zona rural, como a Pastoral da Terra, a Pastoral Indigenista ou a Pastoral da Criança, tem contado também com diversas lanchas rápidas, com motor de popa.

Não somente fica custoso construir um barco, mas sobretudo mantê-lo. Requer um cuidado constante; manutenção, pintura e calafeto. Milhares de litros de combustível e óleo, pessoal qualificado e um conhecimento profundo do rio, igarapés, furos que aparecem quando as águas estão altas e poupam horas de navegação e combustível. E tudo isso tem que ser pago.

Também tem dado sustos. Na Prelazia de Lábrea, Mário Sabino, religioso, faleceu por um acidente de barco. O atual bispo, Jesus Moraza, sendo pároco de Tapauá e após visitar Canutama, teve um grande susto que quase o leva ao fundo em julho de 1988. Não poucas vezes, mais das que se pensa, se tem relatado por escrito, momentos de grave perigo, acidentes e incidentes inesperados, motor quebrado e necessidade dessa solidariedade do rio, sendo acolhidos ou acolhendo a famílias, enfermos e outros navegantes com problemas.

Tem havido sustos de outro tipo, alguns muito recentes, que incluem desde o registro do barco porque a polícia suspeitava que transportava droga (!) até sua apreensão por falta de licenças da embarcação e do comandante do barco.

Em todo caso, e sempre, a chegada do barco da Par√≥quia a uma comunidade rural sup√Ķe manifesta√ß√Ķes de alegria, de felicidade e de fazer as pessoas sentirem-se queridas e atendidas em um h√°bitat que as condena ao isolamento e solid√£o. A segunda casa dos religiosos navega, levando em si os valores do carisma agostiniano-recoleto, que incluem a amizade e acolhida.

Historia e atualidade da Paróquia de Santa Rita
A presença na zona rural


menu portada noticias reportajes agenda documentos nosotros material gr√°fico misiones escribenos intranet Entra y ver√°s
Agostinianos Recoletos. Província de São Nicolau de Tolentino. Paseo de la Habana, 167. 28036 -Madrid, Espanha. Fone: 913 453 460. CIF: R-2800087-E. Inscrita no Registro de Entidades Religiosas do Ministério de Justiça, número 1398-a-SE/B. Política de privacidade.
Busca.