espaŮol portuguÍs english email
√ćndice
Mission√°rios por necessidade
Mission√°rios por Lei

Missionários por herança
Século XIX
Século XX

Mission√°rios hoje
Zonas mission√°rias
Diocese de Shangqiu (Henan, Rep√ļblica Popular da China)

Ministérios missionários




As s√©rias dificuldades sociais e a situa√ß√£o de explora√ß√£o em que vivia a maior parte da popula√ß√£o causavam grandes tens√Ķes que os primeiros evangelizadores do Purus viveram na sua pr√≥pria carne.
Mission√°rios hoje: zonas mission√°rias. Prelazia de L√°brea (Amazonas, Brasil)
Evangelização
Os inícios da organização da Igreja em Lábrea
Durante o s√©culo XIX, quando no Brasil havia uma grande atividade mission√°ria e educativa da Igreja, o rio Purus era ainda desconhecido. O primeiro mission√°rio foi o capuchino genov√™s frei Pedro de Ceriana, quem fundou em 1854 a miss√£o de S√£o Luis Gonzaga com √≠ndios muras, canuic√≠s, mamur√ļs, katukinas, sip√©s, jamamad√≠s e apurin√£s. A experi√™ncia durou apenas dois anos, devido ao abuso dos comerciantes e do governo.

Nessa √©poca at√© Canutama, o Purus j√° estava habitado por brancos: comerciantes sem escr√ļpulos, cru√©is, ambiciosos, corruptos e assassinos de √≠ndios. Devido a estes abusos, Ant√īnio Macedo Costa, bispo do Par√°, n√£o aceitou a subordina√ß√£o dos mission√°rios aos civis e surgiu a funda√ß√£o de col√īnias mission√°rias que velariam para que os √≠ndios n√£o fossem enganados.

Seis mission√°rios franciscanos, procedentes da Bol√≠via iniciaram a experi√™ncia em setembro de 1870. Mas as enfermidades, a falta de companheiros e recursos financeiros, o fracasso dos assentamentos e, sobretudo, os abusos de patr√Ķes e comerciantes os obrigaram a abandonar a miss√£o em 1881.

O bispo enviou tamb√©m o cearense Padre Francisco Leite Barbosa, rec√©m ordenado. No dia 8 de setembro de 1878 tomou posse da nova par√≥quia de L√°brea. Seu trabalho pastoral ia desde a desembocadura do Purus no Solim√Ķes, at√© a fronteira com Peru e Bol√≠via: 400.000 km2. Em 1908, ap√≥s trinta anos de trabalho, retirou-se.

Em seguida do Padre Leite, três sacerdotes diocesanos atenderam sucessivamente a paróquia de Lábrea: Ulisses Montesano acabou de construir a catedral; Manuel Monteiro, nascido no seringal Carmo, em Canutama, primeiro sacerdote do Purus; e José Tito, que entregou a paróquia aos Agostinianos Recoletos em 1926. Com o território que correspondia ao Estado do Acre formou-se uma nova paróquia e tempo depois uma Prelazia.

Em 1878 criou-se tamb√©m a par√≥quia de S√£o Jo√£o Batista em Arim√£, o maior n√ļcleo de popula√ß√£o depois de L√°brea. Tinha uma capela de estacas e telhas e foi dedicada a S√£o Jo√£o Batista. Em 1897 sua sede foi trasladada para Canutama. Os primeiros tempos foram de enfrentamentos diversos entre o p√°roco e o povo.

Em 1901, Jos√© Lorenzo, bispo do Amazonas, “saiu de Canutama levando amargas lembran√ßas”. Manuel Hurtado, primeiro p√°roco, tendo p√©ssimas informa√ß√Ķes sobre seu destino, nem se apresentou. Os problemas com os seguintes p√°rocos foram numerosos e graves. Jos√© Laurindo sofreu grandes afrontas e sensabores. Seu sucessor, Manuel Jos√©, foi perseguido, caluniado e encarcerado pelos chefes da localidade.

Sucedeu-lhe Francisco Villa. Foi um excelente educador, mas as desavenças com os chefes da cidade foram sérias. Em 1917 deixou o sacerdócio. Nesta situação os agostinianos recoletos, receberam a futura Prelazia de Lábrea, aos 17 de outubro de 1926.









  • As s√©rias dificuldades sociais e a situa√ß√£o de explora√ß√£o em que vivia a maior parte da popula√ß√£o causavam grandes tens√Ķes que os primeiros evangelizadores do Purus viveram na sua pr√≥pria carne.







Ignacio Martínez, um dos fundadores da missão agostiniano-recoleta do Amazonas brasileiro.
1926-1942: os inícios dos Agostinianos Recoletos em Lábrea
Em 1924 a Igreja ofereceu a Prelazia de L√°brea √† Prov√≠ncia de Santo Tom√°s de Vilanova, dos Agostinianos Recoletos. Somente dois religiosos come√ßaram a miss√£o: Ign√°cio Mart√≠nez e Marcelo Calvo, este √ļltimo como administrador apost√≥lico. Tomaram posse da Prelazia no dia 17 de outubro de 1926.

Passada a √©poca da prosperidade da borracha, L√°brea decai. Quando chegam os Recoletos, est√° reduzida a uma miser√°vel vila em ru√≠nas, com menos de 400 habitantes, foco de febres mortais. A vida espiritual corre junto com o material. Havia que come√ßar de zero, sem recursos humanos nem econ√īmicos.

A chegada dos Recoletos Bienvenido Beamonte e Juan Altarejos permite a Ign√°cio Mart√≠nez come√ßar, aos dois de abril de 1927 as “desobrigas”, viagens pastorais pelos seringais, que existem at√© hoje. Voltou a dois de agosto, depois de visitar 70 comunidades, celebrar 838 batizados e 269 casamentos e haver feito 141 homilias.

O trabalho dos mission√°rios e sua rela√ß√£o com o povo foram suavizando o sentir pessimista dos primeiros recoletos sobre L√°brea. A m√ļsica foi um dos elementos que os reconciliaram com o povo e a religi√£o. A Banda de M√ļsica Labrense, dirigida por Beamonte, foi o melhor meio para desenvolver seu apostolado.

Uma das primeiras decis√Ķes de Marcelo Calvo foi comprar um barco de sete metros, batizando-o com o nome de “Santo Agostinho”. Frei Bienvenido assentou-lhe uma roda na popa: dois homens nas palancas produziam a velocidade de seis remeiros.

Em 1930, Dom Marcelo, avançado em anos e enfermo, apresentou o pedido de demissão, como administrador apostólico. Ignácio Martínez foi nomeado seu sucessor. Tinha 28 anos de idade.

Os religiosos contribu√≠ram na renova√ß√£o de L√°brea. Animaram a vida cultural e constru√≠ram infraestrutura: po√ßos, planta√ß√Ķes, cria√ß√£o de animais, eletricidade, fabrica√ß√£o de tijolos, etc. Em 1936 abrem uma escola paroquial com 90 alunos.

Desde 1932, a Prelazia dispunha de uma casa em Manaus, para apoio dos missionários, e que daria origem à atual Paróquia de Santa Rita. A partir de 1937, a família agostiniano-recoleta aumentou com a presença de três monjas que deixaram seus conventos de clausura na Espanha, para abrir o colégio de Nossa Senhora da Consolação. Três anos mais tarde, enfermas e sem recursos, tiveram que abandonar a missão.

Este primeiro per√≠odo se conclui com a morte de Dom Ign√°cio Mart√≠nez. No dia primeiro de fevereiro 1942 embarcou no “Santo Agostinho” para fazer desobriga no Baixo Purus. Abaixo de Canutama passou mal. Aos 16 de mar√ßo, no seringal Nova F√©, expirou no barco. At√© esse ano, doze recoletos haviam passado pela Miss√£o.

M√ļsica e instrumentos tradicionais da Amaz√īnia brasileira em Pauini.







  • Atividades mission√°rias dos Agostinianos Recoletos nos seus primeiros vinte anos de presen√ßa no Purus.


    Marcelo Calvo.


  • Os primeiros recoletos em L√°brea.











  • A realidade que acharam os Recoletos na sua chegada em L√°brea produziu em n√£o poucos deles des√Ęnimos e uma vis√£o geral profundamente negativa. Mas v√°rios deles impuseram um clima geral de otimismo e trabalho conjunto.






A sociedade labreense e o crescimento social com a ajuda do trabalho intenso dos Agostinianos Recoletos.
1942-1970: novos ares
Em 1940, o munic√≠pio de L√°brea tinha 22.800 habitantes dos quais, 1.247 viviam na cidade. Canutama possu√≠a 10.710 habitantes com 947 na sede do munic√≠pio. Uma das primeiras decis√Ķes de Francisco Mart√≠nez como vig√°rio, depois da morte de Ign√°cio Mart√≠nez, foi nomear p√°roco de Canutama a Isidoro Irigoyen que ali permaneceu durante vinte e sete anos, at√© 1968.

Em 1944 nomeou-se a Jos√© √Ālvarez M√°cua como administrador apost√≥lico e em 1947 primeiro bispo de L√°brea. Os recoletos j√° levavam 18 anos no Purus. As desobrigas duravam 30, 60, 90 dias e arruinavam a sa√ļde dos religiosos. A atividade pastoral nas cidades estava em torno da catequese, dos movimentos apost√≥licos e das devo√ß√Ķes. Deu-se um grande impulso √† educa√ß√£o e constru√ß√£o de escolas.

Em 1949 foi fundada a paróquia de Santo Agostinho, em Terruã, embrião do município de Pauini. O que mais entusiasmou ao povo foi a construção de um amplo e sólido barracão de madeira, que ao mesmo tempo servia de capela e escola.

Em mar√ßo de 1954, chegaram as Mission√°rias Agostinianas Recoletas para fazer-se cargo da escola “Santa Rita” de L√°brea. E em 1967 chegavam os primeiros irm√£os Maristas para abrir uma escola secund√°ria.

Dado o êxito conseguido em Pauini, se pensou também em atuar na extensa paróquia de Canutama. Por isso se fundou a paróquia de Tapauá, em 1964. Ao constatar a situação educativa do lugar, a madeira que os religiosos receberam para a construção da casa paroquial, terminou sendo usada numa escola.

Os mission√°rios passavam muitas priva√ß√Ķes econ√īmicas. Aproveitavam as √©pocas de descanso e recupera√ß√£o no Rio de Janeiro e S√£o Paulo para pregar, fazer campanhas de apoio ao trabalho mission√°rio. Desde 1963 as institui√ß√Ķes alem√£s “Misereor” e “Adveniat” t√™m ajudado √† Miss√£o.

Durante a d√©cada de setenta constru√≠ram-se casas para os mission√°rios. Em L√°brea foram os mission√°rios que decidiram a constru√ß√£o de uma pista de pouso, uma vez que em 1965, tiraram as linhas de transporte com hidroavi√Ķes “Catalina” no Purus.

No dia 24 de junho de 1960, com a criação da Província de Santa Rita, desmembrada da de Santo Tomás de Vilanova, a Missão de Lábrea passou a pertencer aquela, com sede em Ribeirão Preto (São Paulo). Santa Rita enviou religiosos à Prelazia, mas seis anos depois, se viram obrigados a pedir a outras Províncias voluntários para a missão de Lábrea. Em 1966, quatro religiosos da Província de São Nicolau de Tolentino, recém-ordenados, foram enviados para fortalecer a Missão.

Dom Jos√© √Ālvarez, ap√≥s 35 anos no Amazonas, 25 em L√°brea, no final de 1967 foi para o sul do Brasil. A Santa S√© nomeou administrador apost√≥lico Dom Mario Roberto Anglin, bispo de Coari. A renova√ß√£o do Vaticano II encontrou a miss√£o sem bispo. Chegaram mission√°rios jovens, ao mesmo tempo, outros que tinham prestado grandes servi√ßos √† L√°brea, pediram a seculariza√ß√£o ou foram transferidos para outros minist√©rios.


Imagens de uma tradicional "desobriga" em Pauini (Amazonas, Brasil).



  • Atividades mission√°rias dos recoletos em L√°brea nos anos 50 e 60 do s√©culo XX.









  • A chegada das Mission√°rias Agostinianas Recoletas ajudou a fortalecer o trabalho educativo na miss√£o de L√°brea.






  • A normaliza√ß√£o dos transportes a√©reos e a constru√ß√£o da pista de pouso foram promovidos pelos Recoletos.

1970-1980: a renovação pós conciliar






Atividades mission√°rias e sociais dos Agostinianos Recoletos nos anos 70 na miss√£o de L√°brea.
Em 1970, o prior geral da Ordem de Agostinianos Recoletos, Luis Garayoa, fez uma chamada às Províncias da Ordem, pedindo voluntários para Lábrea. Escolheu sete de três províncias diferentes. Um deles, Florentino Zabalza, foi consagrado bispo aos 28 de agosto de 1971 e tomou posse da Prelazia. Iniciava uma nova época, que se apresentava sob o signo da renovação.

Os Maristas estenderam suas atividades pedag√≥gicas a Canutama (1973) e Tapau√° (1974). As obras continuaram: em 1974 se inaugurou a Igreja de Pauini; se conclu√≠ram a escola, resid√™ncia e igreja de Canutama; reformou-se a catedral de L√°brea, se fez um centro comunit√°rio e se ampliou a escola “Santa Rita”. Na d√©cada de oitenta tamb√©m se inauguram a Igreja de F√°tima de L√°brea, e diversas capelas e centros comunit√°rios em Pauini, Tapau√° e Canutama.

Davam-se cursos de atualiza√ß√£o a professores, cursos de culin√°ria, corte e costura, manicure, tape√ßaria, pintura. Atendia-se √† sa√ļde e as fam√≠lias necessitadas. Organizaram-se cooperativas e cursos de t√©cnicas agr√≠colas; tratava-se de conseguir que as terras compradas por paulistas e paranaenses voltassem aos labreenses.

As quatro cidades se modernizaram. O uso da eletricidade foi geral. Em 1978 a televis√£o chegou a L√°brea; inaugurou-se uma f√°brica de transforma√ß√£o da borracha; estabeleceu-se na regi√£o, o Instituto Nacional de Alimenta√ß√£o e Nutri√ß√£o; se re-asfaltou o aeroporto e se construiu um terminal para passageiros. Chegaram o Banco do Amazonas e os telefones. L√°brea ficou unida ao mundo por terra atrav√©s da rodovia Transamaz√īnica.

Dos 50.000 habitantes da miss√£o, somente 8.000 viviam nos n√ļcleos urbanos e recebiam certa aten√ß√£o. A popula√ß√£o espalhada pelos rios recebia a visita do frei, no melhor dos casos, uma vez por ano. Os religiosos passavam meses pelo interior, exercendo sua miss√£o, com sacrif√≠cio, contraindo enfermidades, etc.

Em 1975 elaborou-se o plano de “Pastoral da Prelazia de L√°brea”, que abriu o campo √† participa√ß√£o de agentes de pastoral leigos, ou seja, pessoas que assumiram obriga√ß√Ķes crist√£s e se formaram para realizar seus minist√©rios: celebra√ß√£o do culto dominical, rela√ß√Ķes com os protestantes, compromisso social, etc. A forma√ß√£o destes agentes foi o primeiro passo para se estabelecer as comunidades eclesiais de base na zona rural. Formaram-se mais de noventa; elas transformaram a miss√£o.

Criaram-se novas pastorais: a pastoral da juventude, pastoral familiar, pastoral indigenista e outras. Também se concretizou um Projeto da CNBB (Conferência dos Bispos do Brasil) pelo qual, uma Igreja do sul adotava uma do norte, como Igreja Irmã. A diocese de Vitória (Espírito Santo) assumiu a Prelazia de Lábrea e ajudou com recursos materiais e humanos.

Os religiosos mantinham encontros anuais de estudo, ora√ß√£o, avalia√ß√£o e planejamento. Participavam de cursos da Pastoral da Terra, Pastoral Indigenista, b√≠blicos e outros. Determinou-se a implanta√ß√£o do Sindicato de Trabalhadores Rurais, assim como alertar √†s autoridades sobre a venda de terras ind√≠genas. Em 1979 celebrou-se a primeira Assembleia Geral da Prelazia, precedida de reuni√Ķes de prepara√ß√£o em cada par√≥quia.

Em 1960, a Província de Santa Rita assumiu, com muito interesse, a missão de Lábrea, mas sofreu uma forte crise vocacional. Nos anos setenta ficaram somente dois religiosos da Província na Prelazia. Finalmente, desde 1979 a missão de Lábrea passou a depender da província de São Nicolau de Tolentino.

Atividades mission√°rias dos Agostinianos Recoletos em Pauini (Amazonas, Brasil).




















  • Atividades mission√°rias e sociais dos Agostinianos Recoletos nos anos 70 na miss√£o de L√°brea.


Pauini a começos dos anos 80.


Florentino Zabalza foi bispo da Prelazia de Lábrea entre 1971 e 1994. Faleceu em Madri no ano 2000. Pertencia à Província de Nossa Senhora da Consolação.
Anos 80 e 90: a Província de São Nicolau de Tolentino se encarrega da Missão
Quando a Prov√≠ncia de S√£o Nicolau assume a miss√£o, a Prelazia recebeu um grupo de freis jovens. Para evitar a solid√£o se refor√ßaram as comunidades, mas as desobrigas, doen√ßas, reuni√Ķes, cursos, viagens para tramitar o visto de resid√™ncia de estrangeiros e outras causas, multiplicavam os per√≠odos em que ficava s√≥ um religioso em cada comunidade.

As √°reas pastorais priorit√°rias propostas pelas sucessivas Assembleias Gerais, desde ent√£o, foram √† fam√≠lia, o protagonismo dos leigos, as comunidades eclesiais de base, a pastoral indigenista, a pastoral da terra, o acompanhamento dos movimentos populares, a op√ß√£o pelos pobres, a participa√ß√£o popular, a luta contra toda injusti√ßa e a favor dos direitos humanos, a rejei√ß√£o de toda viol√™ncia, a forma√ß√£o da consci√™ncia cr√≠tica, a educa√ß√£o, a inf√Ęncia e adolesc√™ncia.

Na d√©cada final do s√©culo XX aumentaram os movimentos migrat√≥rios do interior para a cidade, e de l√° para a capital do Estado. Fez-se um grande esfor√ßo na defesa dos direitos dos povos ind√≠genas e ribeirinhos. A chegada dos latif√ļndios exigindo ante os tribunais seus direitos propiciou uma batalha onde somente a Igreja estava do lado dos mais prejudicados, os verdadeiros donos da terra.

A Igreja de L√°brea tamb√©m se empenhou no apoio e organiza√ß√£o dos movimentos populares, sindicatos de trabalhadores rurais, estivadores e professores, associa√ß√Ķes de lavadeiras e hansenianos, assembleia dos povos ind√≠genas, comiss√£o de direitos humanos, grupos de jovens.






  • Entre os anos 80 e 90 completou-se um extenso programa de constru√ß√£o de infraestruturas religiosas e sociais. Apresentaram-se diversos projetos a entidades e ONGs da Espanha para centros sociais e programas concretos com a inf√Ęncia, adolesc√™ncia e forma√ß√£o de l√≠deres ou associa√ß√Ķes c√≠veis.


    Religiosos missionários recoletos aos finais dos anos 80 e começos dos 90 na Prelazia de Lábrea.


    Tapauá a começos dos anos 80.



    Jesus Moraza (Araya, √Ālava, Espanha, 1945) √© o bispo da Prelazia de L√°brea no Amazonas desde o ano 1994.






  • A luta pelos direitos dos ind√≠genas teve seu momento mais tenso com o assassinato da mission√°ria agostiniana recoleta Cleusa Rodhy Coelho aos 28 de abril de 1985 no rio Passi√° (L√°brea). Todo ano, no anivers√°rio, lembra-se de sua causa e sua mem√≥ria em L√°brea.



    A forma√ß√£o de l√≠deres leigos tem suposto um grande avan√ßo em diversas pastorais: aten√ß√£o √†s crian√ßas e gestantes (Pastoral da Crian√ßa), catequese, autogest√£o das comunidades de base, inf√Ęncia mission√°rias, pastoral da terra e defesa dos direitos trabalhistas, cooperativismo e associacionismo, visita a doentes e outros muitos servi√ßos de evangeliza√ß√£o e aten√ß√£o social.


    Em L√°brea, Canutama y Tapau√°, o uso da r√°dio para chegar a lugares remotos e oferecer forma√ß√£o e informa√ß√£o tem se feito geral mediante as r√°dios comunit√°rias. Isso tem permitido aos mission√°rios se fazer presentes de um jeito mais efetivo em muitas das comunidades ribeirinhas e tem oferecido um servi√ßo p√ļblico de informa√ß√£o e troca de mensagens com os familiares.





  • A aten√ß√£o aos habitantes ribeirinhos caboclos e descendentes de emigrantes nordestinos e ind√≠genas tem sido um dos maiores esfor√ßos da Prov√≠ncia em quanto √† forma√ß√£o dos l√≠deres, comunidades eclesiais de base e defesa dos direitos da terra desde finais do s√©culo XX.



    O apoio √† inf√Ęncia, adolesc√™ncia e juventude tem tentado preencher as grandes falhas da educa√ß√£o formal e √† falta de expetativas de futuro. Fruto desse esfor√ßo tem sido a configura√ß√£o de um grande grupo de l√≠deres leigos que agora levam a responsabilidade das principais obras pastorais e sociais da Prelazia.


    Aos come√ßos dos anos 90 do s√©culo XX instituiu-se a visita anual dos superiores religiosos da Espanha √† miss√£o de L√°brea e se fez um aut√™ntico esfor√ßo para manter pelo menos tr√™s religiosos em cada uma das comunidades e oferecer todo o apoio institucional e religioso. Tamb√©m multiplicaram-se os investimentos em recursos, aten√ß√£o sanit√°ria e deu-se maior apoio aos mission√°rios, presente em uma das regi√Ķes mais isoladas da Prov√≠ncia de S√£o Nicolau de Tolentino.





O projeto de casas comunit√°rias em L√°brea √© um dos √ļltimos que tem se iniciado na Prelazia. Tem conseguido oferecer um lar a dezenas de fam√≠lias de imigrantes ribeirinhos que chegam na cidade com o posto. Al√©m disso, √© uma importante interven√ß√£o transversal, pois no momento de conceder a nova casa exigem-se contrapresta√ß√Ķes em mat√©ria de educa√ß√£o, cuidado dos idosos, participa√ß√£o na constru√ß√£o da e manuten√ß√£o do im√≥vel e ingresso dos mais novos no Centro Esperan√ßa.



Desde a chegada dos Agostinianos Recoletos, o barco tem se constitu√≠do como um dos principais centros de opera√ß√Ķes pastorais e sociais. Todas as par√≥quias contam com barcos e equipes de visita √†s comunidades ribeirinhas, e passam meses nos rios e igarap√©s. Na imagem, o "Regnum Tuum", barco da par√≥quia de L√°brea.
Século XXI
Na √ļltima d√©cada se t√™m fortalecido outros aspectos, uma vez que outras institui√ß√Ķes e os movimentos populares foram trabalhando mais e melhor. A Pastoral Familiar, a Pastoral da Crian√ßa e a Pastoral de Interior (aten√ß√£o aos ribeirinhos) t√™m sido eixos do trabalho mission√°rio.

A catequese √© totalmente assumida pelos leigos e atende aos jovens desde os 6 at√© os 18 anos. √Č tamb√©m a porta para um compromisso com a sociedade. M√©todos como o da Inf√Ęncia Mission√°ria, os Pr√©-Jovens e a pastoral de adolescentes, t√™m significativos frutos no nascimento dos futuros l√≠deres.

A emigração de jovens para Manaus dificulta a preparação e programação a longo prazo. Os mais conscientes e hábeis são os que antes tomam a decisão de sair em busca de uma vida melhor. A prelazia se tem convertido em exportadora de catequistas.

Um dos fracassos tem sido a forma√ß√£o de clero pr√≥prio e perseveran√ßa de voca√ß√Ķes religiosas. A inaugura√ß√£o de um semin√°rio, os acordos com outras dioceses para a forma√ß√£o de candidatos e as equipes de anima√ß√£o vocacional n√£o tem dado os resultados esperados.

Um dos pontos que requer mais aten√ß√£o com a mudan√ßa de s√©culo tem sido o das seitas religiosas. Em cidades como Tapau√° a presen√ßa destas seitas est√° fortemente arraigada na hist√≥ria local. S√£o igrejas neopentecostais radicais, extremistas, fundamentalistas; algumas delas nascidas por um interesse pol√≠tico ou econ√īmico e com ra√≠zes no exterior: a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Internacional da Gra√ßa de Deus, a Igreja Renascer em Cristo, a Igreja Mundial do Poder de Deus, a Assembleia de Deus, a Igreja Quadrangular, a Miss√£o de Filad√©lfia, entre outras.

Algumas destas igrejas s√£o lobbies pol√≠ticos e econ√īmicos no pa√≠s; possuem meios de comunica√ß√£o e seus pastores est√£o entre as pessoas mais ricas do Brasil. Dividem-se continuamente e t√™m poucas coisas em comum, mas destacam-se tr√™s: a avers√£o ao cat√≥lico; o espiritualismo sentimental, fan√°tico, irracional e longe do compromisso social, e a descentraliza√ß√£o e independ√™ncia a respeito de outras igrejas, mesmo que sejam da sua mesma confiss√£o.

A partir dos anos 90 e at√© hoje, tem chegado √† regi√£o o apoio de institui√ß√Ķes p√ļblicas e privadas, tanto brasileiras como estrangeiras, para projetos sociais concretos. Os √Ęmbitos da agricultura, das associa√ß√Ķes sindicais e da educa√ß√£o dos adolescentes s√£o os que mais recursos t√™m recebido. Foram constru√≠dos centros sociais, espa√ßos para a forma√ß√£o e encontros, melhorado os meios de comunica√ß√£o e implantado r√°dios comunit√°rias, inaugurado um centro de pastoral em L√°brea, preparou-se a infraestrutura de tr√™s “Centro Esperan√ßa” para a preven√ß√£o e forma√ß√£o ocupacional dos jovens em L√°brea, Tapau√° e Pauini; financiou-se as visitas ao povo do interior dos rios e os cursos de forma√ß√£o para os l√≠deres ribeirinhos.

No dia 20 de agosto de 2004 a Província de São Nicolau assinou um contrato com a província filipina de Santo Ezequiel Moreno pelo qual, entre outras coisas, a Missão de Lábrea tem contado com religiosos filipinos reforçando as comunidades.

No dia primeiro de janeiro de 2005, e após quase 80 anos de presença em Canutama, a Província de São Nicolau fechou a comunidade daquela paróquia. Com isso, a Província, ficou com três comunidades dentro na missão (Lábrea, Tapauá e Pauini) e a casa de apoio em Manaus, capital do Estado.

Grandes s√£o os desafios da Miss√£o de L√°brea para a Ordem de Agostinianos Recoletos, muitos deles impostos pelas condi√ß√Ķes f√≠sicas do lugar, o isolamento e solid√£o dos mission√°rios ou o clima de desesperan√ßa, quase gen√©tico, do povo a que servem.



  • A partir de 1995, os religiosos recoletos decidiram fazer independente sua moradia da do bispo, para oferecer mais possibilidades de expans√£o √† Prelazia e manter o n√≠vel de vida religiosa est√°vel, pensando inclusive que um dia o bispo poderia n√£o ser agostiniano recoleto. A catedral tamb√©m tem passado por obras de manuten√ß√£o, pois √© um antigo pr√©dio de 1911 e de peculiar constru√ß√£o.






    N√£o √© f√°cil fazer um resumo do que tem significado a comunidade de Manaus para a Prelazia de L√°brea. O apoio constante, o estabelecimento de uma lugar de descanso e comunica√ß√Ķes seguras, a dedica√ß√£o continua a prover √† miss√£o de todo o necess√°rio para seu desenvolvimento e que Manaus tenha virado num importante centro de produ√ß√£o industrial, aten√ß√£o m√©dica e grande infraestrutura educativa superior tem permitido √† Prelazia avan√ßar muito em suas tarefas.





    O isolamento √© uma das causas principais dos problemas na evangeliza√ß√£o e no crescimento socioecon√īmico da Prelazia de L√°brea. Por√©m, conseguir umas comunica√ß√Ķes r√°pidas e permanentes exigiria muito investimento e um alto custo ecol√≥gico no meio de uma clima de preserva√ß√£o da Amaz√īnia como aut√™ntico pulm√£o da terra.



  • O Centro Esperan√ßa de Tapau√° tem recebido grandes investimentos em infraestrutura que permitiram dobrar sua capacidade de aten√ß√£o. As oficinas de m√ļsica, de artes, ou a seguran√ßa alimentar, fazem que sempre seja muito maior a demanda de vagas do que a oferta que pode se conceder.




    O Centro Esperan√ßa de Pauini conta desde o curso 2011 com novas instala√ß√Ķes, √†s quais esta se adicionando uma quadra esportiva. Ao ser a cidade mais longe da capital do Estado, Manaus, tem precisado de um investimento muito maior que seus centros g√™meos. Tamb√©m √© o munic√≠pio com mais necessidades sociais e com maior √≠ndice de pobreza e analfabetismo na Prelazia.


    No mesmo prédio estão a Rádio Educativa de Tapauá e a Secretaria Paroquial. A contribuição da rádio como médio de formação, informação e inclusive evangelização, tem sido importante em todos os municípios da Prelazia.


    Os mission√°rios re√ļnem-se duas vezes todo ano em L√°brea, e pelo menos uma dessas vezes assiste por tradi√ß√£o o prior provincial. A comunica√ß√£o e forma√ß√£o dos religiosos numa regi√£o t√£o isolada tem se cuidado com esmero e insist√™ncia por parte das autoridades religiosas desde faz v√°rias d√©cadas.


    Festa popular e religiosa em Pauini. A religiosidade popular contem importantes ingredientes dos antepassados do nordeste brasileiro nas vilas amazonenses: prociss√Ķes, venera√ß√£o de santos, promessas... As festas religiosas patronais anuais em cada munic√≠pio t√™m grande import√Ęncia, at√© o ponto que inclusive membros de outras igrejas participam nas festas e esquecem por alguns dias seu natural "anti-catolicismo".


  • O Centro Esperan√ßa de L√°brea foi o primeiro a ser constru√≠do e iniciado, e seu modelo tem servido de base para os que posteriormente inauguraram-se em Tapau√° e Pauini. Mais de 350 adolescentes de ambos os sexos passam todo ano pelas suas aulas.


    Escola em Pauini de titularidade do Estado de Amazonas, mas com o nome de um religioso recoleto. O papel da Prelazia na Educa√ß√£o continua sendo importante. O Estado e os munic√≠pios tem investido muito nos √ļltimos anos, mas a Prelazia continua aportando seu esfor√ßo na educa√ß√£o n√£o formal, o tempo livre, o trabalho preventivo fora das aulas e, mais ocasionalmente, na presen√ßa de religiosos nas aulas.



    Pauini na atualidade.




    Tem sido um trabalho calado, feito sempre com poucos recursos, com solu√ß√Ķes caseiras e tradicionais, mas muito efetiva e tem salvado milhares de vidas. A Pastoral da Crian√ßa (trabalho social com meninos menores de cinco anos e gestantes) tem requerido a participa√ß√£o de muitos volunt√°rios (e, principalmente, volunt√°rias), visitas continuadas √†s comunidades e elabora√ß√£o de alimentos e rem√©dios caseiros. Mas teve uns frutos que dificilmente poderiam ter se alcan√ßado com um sistema mais piramidal ou com programas oficias governamentais.
O papel dos leigos e sua forma√ß√£o tem aumentado de um modo significativo no √ļltimo dec√™nio do s√©culo XX. √Ä esquerda, reuni√£o do Conselho Paroquial de L√°brea e √† direita participantes do programa de rem√©dios naturais das Oblatas da Assun√ß√£o em Tapau√°.








Mission√°rias Agostinianas Recoletas em L√°brea, nas diferentes etapas da Miss√£o.




Oblatas da Assunção em Tapauá.
Institutos religiosos em L√°brea
Importante tem sido o trabalho dos institutos religiosos que tem colaborado com os Agostinianos Recoletos ao longo da história da missão.

As Missionárias Agostinianas Recoletas tem uma história paralela e próxima na Missão, desde os anos 30, com a primeira tentativa de se estabelecer ali. Desde 1954 sua presença na educação tem sido constante. Tem participado na alfabetização de adultos, cursos técnicos, pastorais como da catequese, dos enfermos, indígena, ribeirinhos e outras.

Os Irm√£os Maristas chegaram a L√°brea em 1967, a Canutama em 1973 e em Tapau√° no ano de 1974. Depois de gerenciar escolas em todos estes munic√≠pios sa√≠ram de Tapau√° em 1988 e de Canutama em 2005. Tamb√©m colaboraram na catequese, pastoral da juventude, movimentos apost√≥licos, visitas aos enfermos, celebra√ß√Ķes, assist√™ncia social... Tem animado a promo√ß√£o social e a forma√ß√£o profissional, instalando serrarias, f√°brica de tijolos, escola de carpintaria e mec√Ęnica, datilografia e horticultura.

As Missionárias de Jesus Crucificado mantiveram uma comunidade em Pauini entre 1983 e 1993. Viajavam pelo rio, coordenavam a catequese, animavam os grupos de jovens, a liturgia, a associação de lavadeiras, formavam os líderes das comunidades e participavam na Pastoral da Terra.

As Oblatas da Assun√ß√£o chegaram a Tapau√° em 1993. Entre seus trabalhos est√° a catequese, sa√ļde, educa√ß√£o, forma√ß√£o de l√≠deres, ind√≠genas (CIMI), Pastoral da Crian√ßa e aten√ß√£o √† popula√ß√£o rural. Entre seus sonhos e projetos imediatos est√° a abertura do Lar de Adolescente, Irm√£ Rosa.

As Mission√°rias Marianas chegaram a Pauini em 1999. Tem participado ativamente na Pastoral da Sa√ļde, na Pastoral de aten√ß√£o √† popula√ß√£o do interior e no Centro Esperan√ßa.

Dois movimentos leigos se tem encarregado sucessivamente da atenção pastoral em Canutama, após a saída dos Maristas e Recoletos: entre 2005 e 2010 a Comunidade Epifania, fundada em 1994 em Vitória (Espírito Santo); e a Comunidade Missão Resgate, nascida em 2001 na diocese de Crato (Ceará), desde 2010.








  • Os Irm√£os Maristas na Prelazia de L√°brea mantiveram col√©gios em L√°brea, Canutama y Tapau√°.

  • Mission√°rias leigas do grupo Miss√£o Resgate em Canutama, com o bispo agostiniano recoleto Jesus Moraza.




    As Missionárias Marianas em Pauini tiveram como focos principais do trabalho delas a pastoral dos ribeirinhos e o Centro Esperança.




Antecedentes históricos dos Agostinianos Recoletos na China
[Diocese de Shangqiu (Henan, Rep√ļblica Popular da China)]



E você, o que acha?

menu portada noticias reportajes agenda documentos nosotros material gr√°fico misiones escribenos intranet Entra y ver√°s
Agostinianos Recoletos. Província de São Nicolau de Tolentino. Paseo de la Habana, 167. 28036 -Madrid, Espanha. Fone: 913 453 460. CIF: R-2800087-E. Inscrita no Registro de Entidades Religiosas do Ministério de Justiça, número 1398-a-SE/B. Política de privacidade.
Busca.