espaol portugus english email
Ajuda de emergência ao Peru: a Família Agostiniana Recoleta chama à solidariedade com as vítimas das enchentes


Ajuda de emergência ao Peru: a Família Agostiniana Recoleta chama à solidariedade com as vítimas das enchentes
07-04-2017 Otros Países
A Família Agostiniana Recoleta chama à ação para apoiar a população mais afetada pelas enchentes, num evento climatológico de emergência que ainda não terminou. No Brasil, pode-se colaborar diretamente através de qualquer uma das comunidades agostinianas recoletas do país.
Durante os meses de fevereiro e março, o fenômeno climático “Niño costero” ocasionou grandes enchentes, vítimas fatais e feridos, perda de moradias e de infraestruturas, interrupções na distribuição de água potável e de energia e, nas últimas semanas, a aparição de enfermidades tais como a dengue.

A Família Agostiniana Recoleta abre uma campanha de solidariedade ante uma emergência que ainda não se sabe quando terminará. Trata-se, num primeiro momento, de oferecer apoio face à emergência imediata para, mais tarde, organizar todas as ações possíveis com vistas à recuperação da normalidade e do bem-estar por parte das famílias atingidas.

A paz social viu-se também afetada, dado que, em diversos lugares, a população manifestou-se e reclamou das autoridades pela falta de apoio e pela demora em seu socorro, especialmente nas zonas rurais e em povoações menores.

A Família Agostiniana Recoleta, presente no Peru desde 1939, atua pastoral e socialmente nas regiões assinaladas pelos serviços de emergência como de especial risco (nível 4, em vermelho no mapa que se pode ver na galeria de imagens). Este nível indica que as chuvas ainda não terminaram e poderá haver novos episódios de extrema gravidade, como enchentes, deslizamentos de terra…

Concretamente, pede-se às pessoas que “sejam extremadamente precavidas porque se preveem fenômenos meteorológicos de grande magnitude; estejam atentas, em todo momento, ao desenrolar da situação e sigam as orientações e instruções dadas pelas autoridades”.

Viu-se especialmente afetada a região de Chiclayo (Lambayeque), em que os Agostinianos Recoletos trabalham desde 1967. Desde o início de fevereiro, intensas chuvas de mais de nove horas de duração contínua chegaram a atingir a marca de 24 litros por metro quadrado numa única madrugada. Só na primeira semana daquele mês, contabilizaram-se cerca de cinquenta pontos críticos em que se calculava que o nível da água não baixaria por vários dias.

A inundação de ruas e estradas, o colapso dos sistemas de esgotamento e de distribuição de água potável e de energia, bem como a generalização de emergências em diversos distritos fizeram com que muitas famílias estivessem, durante vários dias, sem receber apoio por parte do Centro de Operações de Emergência Regional (COER).

Sem que parassem as constantes chuvas, em meados de março, produziram-se novos episódios de extrema gravidade que assustaram a população e ocasionaram novos danos generalizados. Não se fala apenas em consequências físicas diretas, mas a população, ao ver-se afetada pelo medo e pelo desespero, colocou-se ainda em situações de risco extremo de vida ao tentar salvar o que lhe restava em termos de moradias e pertences.

No fim de março, ocorreu o primeiro óbito por dengue, enfermidade que apareceu devido à existência de bolsões d’água que permitem a proliferação do seu mosquito transmissor.

Chiclayo, de quase 600.000 habitantes, mostrou-se bastante vulnerável. Na província de Lambayeque, à qual pertence, perderam-se 4.483 moradias, atingindo diretamente a mais de 41.000 pessoas e afetando a quase 95.000.

Em todo o Peru, já se contabilizaram pelo menos 78 mortos, 263 feridos e 20 desaparecidos. Além disso, a cifra chega a 100.000 atingidos de modo direto e a 640.000 de modo indireto por essa anormal temporada de chuvas.


Presença da Família Agostiniana Recoleta

A Família Agostiniana Recoleta está presente na capital, Lima, e em povoações da zona norte do país. Chiclayo viu-se afetada diretamente, mas as intensas chuvas interromperam, bloquearam ou dificultaram também as comunicações por terra com localidades como as províncias de Cajamarca ou de Chachapoyas, em que se fazem presentes igualmente os Recoletos, em decorrência dos desabamentos e deslizamentos de terra.

Precisamente em 2017, completam-se os cinquenta anos da Paróquia de Nossa Senhora da Consolação de Chiclayo, a que os Agostinianos Recoletos servem desde a sua criação. Esse enraizamento e um trabalho social levado a cabo desde o início permitem que ali se conheçam bem os casos particulares que, no momento atual, necessitam de mais ajuda e apoio.

Além do mais, a ONGD Haren Alde, parte da nascente Rede ARCORES que coordena a obra social da Família Agostiniana Recoleta, tem no Peru uma Delegação própria. Já se vão pelo menos duas décadas trabalhando em ações sociais centradas na educação, no fornecimento de água, saúde, saneamento e na construção de moradias. Isso permitirá uma gestão mais direta e rápida das ajudas, através de uma infraestrutura que vem trabalhando há anos no local.

Da Espanha, pode-se colaborar diretamente por depósito na conta de emergências da ONGD Haren Alde: ES57 0075 0241 4406 0086 0510. De outros países, pode-se entrar em contato com a Comissão de Apostolado Social da Ordem dos Agostinianos Recoletos através da página eletrônica oficial da Ordem, ou com esta mesma ONGD Haren Alde, para que ofereçamos informação e meios a todo aquele que desejar colaborar.

No Brasil podem-se fazer doações nessa conta bancária da Caixa Econômica Federal: Banco 104, Agência 0218, Conta Corrente 2184-9,  Operação 003. Muitissimo obrigado!


E você, o que acha?

menu portada noticias reportajes agenda documentos nosotros material gráfico misiones escribenos intranet Entra y verás
Agostinianos Recoletos. Província de São Nicolau de Tolentino. Paseo de la Habana, 167. 28036 -Madrid, Espanha. Fone: 913 453 460. CIF: R-2800087-E. Inscrita no Registro de Entidades Religiosas do Ministério de Justiça, número 1398-a-SE/B. Política de privacidade.
Busca.